Gestão

Scrum, Kanban ou Waterfall: qual o melhor para gestão de prazos em TI?

João Paulo Beluca
1086 2 minutos de leitura
scrum, kanban e waterfall

Scrum, Kanban ou Waterfall: qual o melhor para gestão de prazos em TI?

Empresas que atuam com gerenciamento de projetos sabem que essa sempre foi uma área crítica, em especial no que diz respeito à gestão de prazos em TI e atendimento dos objetivos. Em função disso, foram criados frameworks para tornar mais eficiente a realização dessas tarefas. São várias opções à disposição do gestor de projetos. No entanto, qual a melhor escolha?

Neste artigo vamos apresentar um breve comparativo entre as metodologias Scrum, Kanban e Waterfall, explicando como funcionam e em que casos são mais indicadas. Confira:

Scrum

É uma metodologia para gerenciamento de projetos em geral, não apenas desenvolvimento de software. Basicamente, são definidos papéis e etapas que precisam ser cumpridas, até o objetivo final: entregar o produto no prazo definido e de acordo com as expectativas.

Os projetos são divididos em ciclos, chamados de sprints, e as tarefas mapeadas em listas denominadas backlogs. A cada ciclo, são feitas reuniões para definir as prioridades para o sprint sendo iniciado. Durante o ciclo, são realizadas reuniões diárias de avaliação e, ao final, uma revisão do que foi implementado naquele sprint. E o processo recomeça para um novo ciclo.

A utilização de Scrum é recomendada quando o escopo do projeto não está completamente definido e seus requisitos tendem a mudar com frequência. Em outras palavras, quando não se consegue ter uma visão clara de todo o projeto com antecedência.

Kanban

Concebido originalmente para controlar o fluxo de processos em indústrias no Japão, o Kanban passou a ser adotado como ferramenta de apoio ao gerenciamento de projetos, por permitir que as tarefas sejam desmembradas em partes menores, facilitando seu controle e implementação.

Basicamente, a concepção original do framework prevê um quadro dividido em três partes: “to do” (a fazer), “doing” (fazendo) e “done” (feito). As equipes envolvidas vão mudando os cartões de lugar e incluindo novas informações à medida que o trabalho flui, o que permite uma visualização rápida e completa do andamento do projeto. Em função da extrema flexibilidade do modelo, novas etapas podem ser incluídas, de modo a facilitar o entendimento.

O uso de Kanban é indicado em empresas que não se sintam plenamente confortáveis com a adoção de metodologias mais revolucionárias como o Scrum. Por ser um framework com restrições mais suaves e menor quantidade de premissas a serem obedecidas, é recomendável para projetos com equipes — e gestores — mais resistentes.

Waterfall

Trata-se da metodologia mais tradicional para gerenciamento de projetos. No modelo “em cascata”, todas as etapas são realizadas de forma sequencial, ou seja, não existe a interação e simultaneidade encontradas nos modelos ágeis.

Aqui, não é permitido voltar ou adiantar etapas. Cada passo é realizado em seu tempo e, apenas depois de concluído, se permite avançar à etapa seguinte. É fácil perceber, portanto, que se trata de um modelo bastante rígido.

Em função dessas características, o Waterfall necessita que os requisitos estejam bem definidos com antecedência. A vantagem é que se torna possível prever com maior precisão prazos e custos. Assim, essa metodologia é indicada quando já se possui uma definição prévia dos requisitos e do escopo do projeto e não há espaço ou liberdade para mudanças posteriores.

Desafios para o gestor

Cada uma das metodologias para gerenciamento de projetos tem características próprias e é indicada em determinados casos. Cabe ao gestor avaliar os aspectos individuais da empresa, especialmente a maturidade da equipe e resistência a mudanças, de modo a escolher o framework mais adequado.

Ainda assim, é seu papel analisar constantemente o desempenho do processo, como forma de identificar oportunidades de melhoria e, eventualmente, decidir por uma mudança na metodologia empregada.

Como você pôde perceber, são várias as opções para ajudar na otimização da gestão de prazos em TI. Nesse artigo apresentamos as características das principais metodologias e os casos em que são mais indicadas. Gostou do texto? Compartilhe em suas redes sociais!

Relacionados